A revolução das cevejaria artesanais traz cada vez mais profissionalismo e uma ploriferação de ‘’mestres cervejeiros’’. Mestres assim como doutores, médicos, advogados, eles são especialistas em algo, em cerveja. E como eles se tornaram pessoa tão bem requisitadas? Isso a história explica:
Na dimensão histórica, o ponto de partida, obviamente, é a raiz da palavra. Não existe divergência, quanto a sua origem ser o vocábulo latino magister, que por sua vez, vem de magis – maior, também em latim. O mestre era portanto o "maior" (leia-se, melhor).

Fosse forjar armas, treinar animais de carga e transporte, ou fazer cerveja. Ser "mestre cervejeiro" não implica só em fazer uma cerveja maravilhosa e outras regulares ou ruins, mas em dominar plenamente a técnica necessária. Todo artesão que alcance este nível pode – e por que não dizer "deve" – receber justamente o título de mestre.

Apartir do século 18, o que era arte de transformar grãos em cerveja ganhou contornos mais científicos que livrou os cervejeiros da maldição eterna do processo de tentativa e erro, e conferiu maior previsibilidade dos resultados. Hoje, existem universidades em diversos países com cursos sobre fabricação de cerveja em nível de mestrado. A pessoa que concluir tal curso, entregando seu projeto final, como qualquer aluno deste tipo de curso em outras áreas, tem direito a reivindicar publicamente, de forma legítima, o título de mestre.

Salve os mestres cervejeiros, responsáveis pela melhor matéria existente criada pelo homem.

Até a próxima.



Comment